SEMOSP

Início » Brasil tem mais de 27 mil áreas de risco de desastres

Brasil tem mais de 27 mil áreas de risco de desastres

Pernambuco, Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais, São Paulo. Os locais diferem, mas a tragédia provocada pelas chuvas se repete. Parte desse problema são as precárias condições de moradia de uma parcela expressiva da população.

De acordo com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), 8,2 milhões de brasileiros vivem em áreas de risco — estimativa baseada no último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010. A previsão é de que o número seja atualizado em 2022, e pode ter sofrido drásticos aumentos em razão da pandemia.

Em 825 municípios no Brasil, são 27.660 áreas de risco, conforme o Cemaden, a maioria localizadas no Sul, Sudeste e Nordeste, onde o relevo é mais acidentado e tende a propiciar riscos mais frequentes de inundações, deslizamentos e outros. Além disso, existe a questão da falta de urbanização.

Foto ( Manu Dias/GOVBA)

Na visão do advogado especialista em infraestrutura Luiz Felipe Graziano, o problema é nacional. Afeta o território como um todo, com destaque para o Rio de Janeiro e as grandes cidades nordestinas.

“Basicamente, a gente está falando de uma leniência do poder público, ao permitir invasões de áreas públicas ou privadas. Essas áreas não foram regularizadas, não foi conferido o título de propriedade a essas pessoas. Por conseguinte, muitos dos serviços públicos acabam não chegando a elas, e a urbanização fica para trás”, avalia.

O cenário pode ter sido agravado com a crise sanitária provocada pela covid-19, que forçou muitos a buscarem opções mais baratas de moradia e em condições piores após um crescimento nos níveis de pobreza. Em São Paulo, por exemplo, 20 mil famílias passaram a morar em favelas na cidade ao longo da pandemia, conforme informações da Secretaria Municipal da Habitação.

Na opinião da diretora substituta e coordenadora de Relações Institucionais do Cemaden, Regina Alvalá, o quadro é crítico. Há, segundo ela, uma combinação do risco de desastres naturais com a vulnerabilidade do grande contingente de pessoas vivendo em lugares precários.

“A gente tem grandes municípios no país, com muita gente; temos as regiões metropolitanas, onde também vive muita gente; e a faixa menos favorecida da população geralmente vive em áreas mais precárias, mais periféricas”, afirma.

Fonte:CB

Adriana Nogueira

Deixe um comentário

Voltar ao topo